Quarta, 17 de Agosto de 2022
35°

Poucas nuvens

Plácido de Castro - AC

Justiça Foz do Iguaçu

Acusado de matar petista no PR, Guaranho passa por nova avaliação antes de deixar hospital

Não há uma previsão para que ele deixe o hospital, a decisão pode ser realizada nos próximos dias, informou a assessoria

05/08/2022 às 13h44
Por: Agência Plácido Fonte: RicMais
Compartilhe:
Foto Reprodução
Foto Reprodução

O policial penal Jorge Guaranho, suspeito de ter matado o petista e guarda municipal Marcelo Arruda, não vai receber alta do Hospital Ministro Costa Cavalcanti, em Foz do Iguaçu, nesta sexta-feira (5). Segundo a assessoria do hospital Ministro Costa Cavalcanti, a médica responsável por Guaranho pediu uma nova avaliação do policial, antes que ele deixe o hospital. Não há uma previsão para que ele saia da casa hospitalar, a decisão pode ser realizada nos próximos dias.

As informações sobre o estado de saúde do policial não foram divulgadas e são repassadas diretamente para Polícia Civil e Ministério Público do Paraná, responsáveis pela investigação.

Jorge havia sido internado em estado grave e chegou a ficar dias na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) por também ter sido baleado no noite do crime, registrado há quase um mês, no dia 9 de julho. Na quinta-feira (4), a informação sobre a previsão de alta hospitalar nesta sexta feira, havia sido confirmada pelo promotor do caso, Tiago Lisboa Mendonça.

Ainda na quinta, o juiz Gustavo Germano Francisco Arguello, da 3ª Vara Criminal de Foz do Iguaçu, indeferiu o pedido de revogação de prisão preventiva, solicitado pela defesa de Guaranho, e também o pedido por prisão domiciliar. O Ministério Público do Paraná (MPPR) já havia se manifestado contra o requerimento dos advogados do policial penal.

Com relação ao pedido de revogação da prisão preventiva, o juiz avaliou a gravidade do crime pelo qual Guaranho está sendo acusado, a “multiplicidade dos disparos em local de confraternização”, a qualificadora de expor terceiros ao perigo e a “suposta natureza da motivação”, relacionada a uma divergência, o que indicaria que ele tem “personalidade conflituosa”. Ainda, Arguello citou a proximidade com as eleições, que “pressupõe o embate de ideias”.

Na decisão sobre o pedido por prisão domiciliar – no qual a defesa argumentou a necessidade de estrutura adequada para a recuperação de saúde do policial penal – o juiz argumenta que “a prisão e a assistência médica não são incompatíveis” e afirmou que, mesmo com o quadro clínico em que Guaranho se encontra, é possível que uma unidade prisional seja capaz de atender as necessidades médicas.

Ainda, o juiz solicitou que o policial penal seja encaminhado para o Complexo Médico Penal ou, em caso de impossibilidade, para o Complexo Penitenciário Federal assim que receber alta. No entanto, ele deve ficar em uma cela separada dos demais presos.

Denúncia do Ministério Público contra Jorge Guaranho

O MPPR ofereceu denúncia contra o policial penal Jorge Guaranho por homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil e por expor terceiros ao perigo. Segundo os promotores do caso, Tiago Lisboa Mendonça e Luís Marcelo Mafra Bernardes da Silva, o motivo fútil se refere a discussão “desencadeada por preferências político-partidárias antagônicas”. A denúncia foi aceita pela Justiça no dia 20 de julho. Com isso, Guaranho se tornou réu na ação penal.

O homicídio foi registrado no dia 9 de julho deste ano, durante a festa de aniversário de 50 anos de Marcelo Arruda, com a temática do Partido dos Trabalhadores (PT), que acontecia em uma associação

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.