Sábado, 01 de Outubro de 2022
24°

Poucas nuvens

Plácido de Castro - AC

Polícia Alerta

Mãe conta como dois homens usando um carro de cor cinza teriam tentado sequestrar seu filho de 11 anos, em Plácido de Castro

Segundo a mãe, fato teria ocorrido nas proximidades da escola João Ricardo de Freitas, no início da tarde desta sexta-feira, 12.

12/08/2022 às 18h16 Atualizada em 12/08/2022 às 20h00
Por: Agência Plácido
Compartilhe:
Foto Reprodução/Google Imagens
Foto Reprodução/Google Imagens

Uma suposta tentativa de sequestro assustou uma mulher que é mãe de uma criança de 11 anos e que estuda na Escola Municipal Domingos Galdino, localizada na rodovia Ac-40, cerca de 5 km de Plácido de Castro, no bairro Escolinha. O caso aconteceu no início da tarde desta sexta-feira, 12.

Segundo relatos da genitora, seu filho seguia rumo à escola por volta das 12h40, quando ao passar em frente a Asplac (Associação dos Servidores da Prefeitura de Plácido de Castro), avistou dois homens deitados embaixo de uma árvore às margens da rodovia. Ela prossegue dizendo que ao avistarem a criança, os suspeitos se levantaram e rapidamente vieram correndo em sua direção, tentado agarrá-lo à força e arrastá-lo para dentro de um veículo de cor cinza que não teve o modelo revelado.

Apavorado, o menino abandonou a bicicleta e saiu correndo em direção a uma residência localizada em frente ao Silo Graneleiro, onde pediu por socorro aos proprietários. Ainda segundo a mãe, após perceberem que o menino havia conseguido pedir ajuda, os suspeitos teriam entrado dentro do veículo que os aguardava e empreenderam fuga, tomando rumo ignorado.

Em relatos a reportagem, a mãe da criança contou com detalhes os momentos de medo que seu filho passou e como o caso aconteceu.

"Apontaram para o meu filho e saíram correndo em direção dele. Assalto não foi porque ele não estava com nada de valor em sua posse, nem mesmo um celular, apenas uma mochila com material escolar e uma bicicleta velha. Após saber do ocorrido, eu passei mal e a minha mãe, quase enfartou", contou, assustada.

A mãe alega ainda que por morar na zona rural de Plácido de Castro e estar sem transporte, não conseguiu ir até a Delegacia Geral de Polícia registrar um boletim de ocorrências, mas alega que telefonou para a polícia e comunicou o fato à autoridade policial. Ela denunciou o caso nas redes sociais e fez o alerta em relação ao caso.

A reportagem não entrou em contato com o Delegado de Polícia Civil Danilo Almeida para saber se ele está a par da situação. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.