Quinta, 20 de Junho de 2024
22°C 35°C
Plácido de Castro, AC
Publicidade

Pesadelos podem sinalizar agravamento de doenças crônicas, aponta estudo

Agravamento do lúpus, e outras doenças reumatológicas, pode vir acompanhado de pesadelos intensos e alucinações diurnas

26/05/2024 às 17h00
Por: Informativo Plácido Fonte: CNN Brasil
Compartilhe:
Pesadelos assustadores estão relacionados a doenças como o lupus | Getty Images
Pesadelos assustadores estão relacionados a doenças como o lupus | Getty Images

Os pesadelos são intensos e muitas vezes horríveis, às vezes durando até o dia.

“Há um serial killer atrás de mim e nos últimos anos eu tenho o mesmo”, relatou um paciente canadense. “Ele pegou minhas pernas ou algo assim, ainda posso sentir algo nas minhas pernas mesmo quando estou acordado.”

Outro paciente inglês descreveu pesadelos em que não consegue respirar, com alguém sentado no seu peito. Outro compartilhou histórias de visões violentas “realmente desagradáveis” em seu sono.

“Horrível. Como assassinatos, como pele saindo das pessoas”, disse um paciente irlandês sobre seus pesadelos. “Acho que é quando estou sobrecarregado, o que pode ser o lúpus estando ruim. Então acho que quanto mais estresse meu corpo está, mais vívidos e ruins são os sonhos.”

Pesadelos e alucinações oníricas que aparecem quando estamos acordados podem ser sinais pouco conhecidos do início do lúpus e outras doenças autoimunes sistêmicas, como artrite reumatoide, de acordo com um novo estudo publicado na segunda-feira (20) na revista eClinicalMedicine.

Sintomas incomuns como esses também podem ser um sinal de que uma doença estabelecida pode estar prestes a piorar intensamente ou “agravar” e exigir tratamento médico, disse a autora principal do estudo, Melanie Sloan, pesquisadora do departamento de saúde pública e cuidados primários da Universidade de Cambridge, no Reino Unido.

“Isso é verdade para uma doença como o lúpus, que é bem conhecida por afetar múltiplos órgãos, incluindo o cérebro, mas também encontramos esses padrões de sintomas em outras doenças reumatológicas, como artrite reumatoide, síndrome de Sjogren e esclerose sistêmica”, disse Sloan em um e-mail.

Lúpus é uma doença de longo prazo em que o sistema imunológico do corpo fica descontrolado, atacando tecidos saudáveis e causando inflamação e dor em qualquer parte do corpo, incluindo células sanguíneas, cérebro, coração, articulações e músculos, rins, fígado e pulmões.

“Problemas cognitivos e muitos desses outros sintomas neuropsiquiátricos que estudamos podem ter uma enorme influência na vida das pessoas, na capacidade de trabalhar, de socializar e apenas de ter uma vida tão normal quanto possível”, disse ela.

“Esses sintomas são frequentemente invisíveis e (atualmente) impossíveis de testar, mas isso não deve torná-los menos importantes para serem considerados para tratamento e apoio.”

Jennifer Mundt, professora assistente de medicina do sono, psiquiatria e ciências comportamentais da Feinberg School of Medicine da Universidade Northwestern em Chicago, que não participou do estudo, disse em um e-mail que ficou satisfeita que o estudo focou nos pesadelos.

“Embora os pesadelos sejam um problema muito angustiante em muitas condições médicas e psiquiátricas, raramente recebem foco, exceto no contexto do transtorno de estresse pós-traumático”, disse Mundt.

“Um estudo recente mostrou que 18% das pessoas com COVID longa têm (frequentes) pesadelos, e isso se compara a uma prevalência de cerca de 5% na população geral,” disse ela. “Ouvir a perspectiva dos pacientes é crucial para que a pesquisa e o cuidado clínico possam ser guiados pelo que é mais importante para os próprios pacientes.”

Médicos e pacientes precisam saber

Embora a pesquisa na área seja bastante nova, um estudo de março de 2019 descobriu que pacientes com artrite inflamatória e outras doenças autoimunes e inflamatórias também experimentaram pesadelos e outros distúrbios do sono REM, como paralisia do sono.

REM é a sigla para movimento rápido dos olhos, a fase do sono em que as pessoas sonham e as informações e experiências são consolidadas e armazenadas na memória.

Nesse estudo, um homem de 57 anos lembrou de ser “ameaçado por aves de rapina selvagens” em seus pesadelos, enquanto uma mulher de 70 anos sonhou que seu sobrinho estava em grave perigo, mas ela não podia fazer nada para ajudá-lo.

O novo estudo pesquisou 400 médicos e 676 pessoas vivendo com lúpus e também conduziu entrevistas detalhadas com 50 clínicos e 69 pessoas vivendo com doenças autoimunes reumáticas sistêmicas, incluindo lúpus.

Os pesquisadores descobriram que 3 em cada 5 pacientes com lúpus, e 1 em cada 3 pacientes com outras doenças relacionadas à reumatologia tiveram pesadelos cada vez mais vívidos e angustiantes pouco antes de suas alucinações. Esses pesadelos frequentemente envolviam quedas ou serem atacados, presos ou esmagados, ou cometerem assassinatos.

“Eu estava cavalgando, cortando pessoas com minha espada. Uma delas estava me atacando e eu acabei cortando sua garganta,” disse o paciente inglês.

“Eu não sou uma pessoa violenta de forma alguma. Eu nem mato um inseto,” continuou o paciente. “E cheguei à conclusão de que provavelmente estou lutando contra meu próprio sistema (autoimune). Provavelmente estou atacando a mim mesmo, essa é a única coisa que faz sentido lógico.”

Doenças autoimunes sistêmicas frequentemente têm uma série de sintomas, chamados de pródromos, que aparecem como sinais de uma piora súbita e possivelmente perigosa da condição.

No lúpus, por exemplo, dores de cabeça, aumento da fadiga, articulações doloridas e inchadas, erupções cutâneas, tonturas e febre sem infecção são sinais bem conhecidos de um agravamento iminente.

Reconhecer esses sinais de alerta é importante, disse Sloan, porque eles permitem “detecção mais precoce e, portanto, tratamento das exacerbações, algumas das quais podem ser prejudiciais aos órgãos e até fatais em pacientes com lúpus.”

No entanto, sintomas de alerta únicos, como pesadelos e alucinações diurnas, não estão nos critérios diagnósticos para lúpus ou outras doenças, disse Sloan. O estudo descobriu que os médicos raramente perguntam sobre tais experiências, e os pacientes muitas vezes evitam falar sobre elas com seus médicos.

“Estamos fortemente incentivando mais médicos a perguntarem sobre pesadelos e outros sintomas neuropsiquiátricos — considerados incomuns, mas, na verdade, são muito comuns em autoimunidades sistêmicas — para nos ajudar a detectar exacerbações da doença mais cedo,” disse o autor principal do estudo, David D’Cruz, reumatologista consultor do Guy’s Hospital e do Kings College London.

Conectando os pontos com doenças autoimunes

À primeira vista, faria sentido que tais manifestações neurológicas como pesadelos ocorressem se a doença autoimune impactasse o cérebro, o que o lúpus frequentemente faz, disse Sloan. Mas não foi isso que o estudo descobriu.

“Curiosamente, descobrimos que os pacientes com lúpus que foram classificados como tendo envolvimento de órgãos além do cérebro, como rins ou pulmões, muitas vezes também relataram uma variedade de sintomas neuropsiquiátricos antes do agravamento renal/pulmonar,” disse Sloan via e-mail.

“Isso sugere que monitorar esses sintomas – como pesadelos e mudanças de humor – bem como as erupções cutâneas usuais e a proteína na urina (devido à inflamação nos rins), etc., pode ajudar na detecção precoce da exacerbação em muitos pacientes, não apenas naqueles que desenvolvem envolvimento cerebral importante,” disse ela.

No entanto, não há razão para que pessoas com pesadelos ocasionais ou sonhos diurnos se preocupem, disse o especialista em distúrbios do sono Dr. Carlos Schenck, professor e psiquiatra sênior do Hennepin County Medical Center na Universidade de Minnesota em Minneapolis.

“Este estudo pode alarmar o público em geral, fazendo-os acreditar ou se preocupar se têm lúpus ou um distúrbio autoimune relacionado, se têm pesadelos ou alucinações, que são o que os médicos chamam de ‘sintomas inespecíficos,’ ou seja, uma variedade de condições (médicas e psiquiátricas) podem se manifestar com esses sintomas,” disse Schenck em um e-mail.

É de fato “perfeitamente normal” ter pesadelos ocasionais e até alucinação diurnas, que “são também mais comuns do que pensamos,” disse Sloan.

No entanto, se esses são intensos, perturbadores e ocorrem junto com outros sintomas, como fadiga extrema, dores de cabeça e outros sinais de distúrbios autoimunes, eles “devem ser discutidos com um médico,” disse Sloan.

“As pessoas não devem ter medo ou vergonha de falar sobre esses sintomas,” disse ela.

“Em alguns casos, relatar esses sintomas mais cedo, mesmo que pareçam estranhos e desconexos, pode levar o médico a conseguir ‘conectar os pontos’ para diagnosticar uma doença autoimune.”

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Plácido de Castro, AC
22°
Tempo nublado

Mín. 22° Máx. 35°

23° Sensação
0.6km/h Vento
89% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
07h44 Nascer do sol
07h15 Pôr do sol
Sex 36° 22°
Sáb 37° 24°
Dom 37° 22°
Seg 37° 26°
Ter 36° 25°
Atualizado às 03h05
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,45 +0,00%
Euro
R$ 5,86 0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,36%
Bitcoin
R$ 380,362,28 +1,22%
Ibovespa
120,261,34 pts 0.53%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade