Domingo, 19 de Maio de 2024
21°C 34°C
Plácido de Castro, AC
Publicidade

Novo método poderá mostrar com precisão quem está prestes a ter um infarto ou AVC

Pesquisadores descobriram o local exato onde as placas ateroscleróticas se rompem e uma enzima associada à área exata onde isso ocorre

05/06/2023 às 15h56
Por: Informativo Plácido Fonte: R7
Compartilhe:
Placas de gordura que se desprendem dos vasos sanguíneos provocam infarto e AVC | FREEPIK
Placas de gordura que se desprendem dos vasos sanguíneos provocam infarto e AVC | FREEPIK

Pesquisadores da Universidade de Lund, na Suécia, identificaram o local exato onde as placas ateroscleróticas se rompem, levando a um infarto do miocárdio ou derrame. Eles também identificaram uma enzima, a MMP-9, que está associada à área onde as placas se rompem e é um marcador para futuras complicações cardiovasculares.

Os cientistas esperam usar a MMP-9 como uma ferramenta para prever quais pacientes correm o risco de ter um ataque cardíaco ou derrame e também para desenvolver novos tratamentos que reduzam o risco de ruptura da placa.

O estudo foi publicado no Journal of the American College of Cardiology nesta segunda-feira (5). 

A aterosclerose é o acúmulo de placas de gordura — compostas de colesterol, substâncias gordurosas, resíduos celulares, cálcio e fibrina (um material de coagulação do sangue) — nas paredes dos vasos sanguíneos, o que faz com que eles endureçam.

Esse processo, que ocorre com o passar dos anos e é influenciado por alguns fatores, como altos níveis de colesterol e triglicerídeos, leva frequentemente a casos de infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral, angina (dor no peito), doença arterial periférica (nas pernas) e doença renal crônica.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que 17,9 milhões de pessoas morram anualmente devido a doenças cardiovasculares, e a aterosclerose é um fator de risco importante.

O grupo de cientistas da Universidade de Lund identificou que as placas ateroscleróticas nas artérias coronárias frequentemente se rompem em um local próximo ao coração — uma descoberta inédita.

Durante o estudo, eles também constataram uma forte associação entre a enzima MMP-9 e a área de ruptura das placas. Indivíduos com altos níveis da enzima apresentariam, portanto, maiores riscos de sofrer um infarto ou um AVC.

Os autores do trabalho apostam que, no futuro, a MMP-9 poderá ser usada como um marcador para identificar pessoas que tenham um risco elevado desse tipo de doença cardiovascular.

"Nosso estudo mostra que a MMP-9 é um marcador de futuras complicações cardiovasculares. Em estudos posteriores, queremos investigar se é possível inibir a enzima para que ela se torne menos ativa e, assim, evitar a ruptura da placa. Porém, é importante que esse tratamento não gere efeitos colaterais indesejados, pois a enzima tem outras funções importantes no organismo", disse em um comunicado a autora do estudo, Isabel Gonçalves, professora de cardiologia na universidade.

 

 

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Plácido de Castro, AC
25°
Tempo nublado

Mín. 21° Máx. 34°

26° Sensação
1.14km/h Vento
76% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
07h36 Nascer do sol
07h13 Pôr do sol
Seg 33° 22°
Ter 32° 19°
Qua 34° 20°
Qui 35° 24°
Sex 33° 22°
Atualizado às 07h05
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,10 +0,00%
Euro
R$ 5,56 +0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,55%
Bitcoin
R$ 362,567,39 +0,18%
Ibovespa
128,150,71 pts -0.1%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade