Domingo, 23 de Janeiro de 2022
28°

Pancada de chuva

Plácido de Castro - AC

Política Centrão no comando

Bolsonaro dá poder à Casa Civil na execução do Orçamento

Texto prevê que decisões da Economia, chefiada por Guedes, passem antes pela pasta de Ciro Nogueira, liderança do Centrão

13/01/2022 às 17h04
Por: Agência Plácido Fonte: R7
Compartilhe:
Presidente Jair Bolsonaro (à direita) e ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira EVARISTO SÁ/AFP 30.07.2021
Presidente Jair Bolsonaro (à direita) e ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira EVARISTO SÁ/AFP 30.07.2021

Um decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, na última quarta-feira (12), e publicado no DOU (Diário Oficial da União) desta quinta-feira (13), definiu que ações tomadas pelo Ministério da Economia em relação à gestão do Orçamento devem passar antes por anuência da Casa Civil. Na prática, o decreto dá poderes à pasta chefiada por Ciro Nogueira, senador licenciado do PP e liderança do Centrão, podendo reduzir a autonomia de Guedes.

O texto prevê que cabe ao ministro da Economia, dentre outros pontos, alterar Grupos de Natureza de Despesa, abrir créditos suplementares autorizados na Lei Orçamentária, abrir créditos extraordinários, créditos especiais em favor de órgãos do Executivo federal e remanejar recursos. Agora, entretanto, diferentemente de anos anteriores, o documento estabelece que essas decisões estão condicionadas "à manifestação prévia favorável do ministro de Estado chefe da Casa Civil".

Anualmente, é publicado um decreto delegando ao Ministério da Economia competências em relação ao Orçamento, como pode-se ver em 2020 e em 2021. A novidade é condicionar as decisões à manifestação da Casa Civil. A alteração se dá em um ano eleitoral, e em um momento de ampla disputa relativa ao orçamento, quando Guedes é contrário a aumento de gastos enquanto políticos da base defendem mais gastos.

Em nota, a Economia pontuou que "sim, é a primeira vez que isso ocorre", mas negou que a medida "configura perda de autonomia do ME [Ministério da Economia]".

"A decisão, fruto de um consenso entre os ministérios envolvidos, visa melhorar a coordenação para o alcance dos objetivos e prioridades do governo. Destaque-se que a Casa Civil e o Ministério da Economia integram a Junta de Execução Orçamentária (JEO), que é a instância em que as decisões relevantes com relação à matéria orçamentária são tomadas".

A Junta de Execução Orçamentária (JEO), responsável pelo assessoramento direto ao presidente da República, é composta pelos ministros da Economia e da Casa Civil. A pasta de Guedes se baseia nos limites estabelecidos pela junta para tomar decisões sobre a execução dos recursos. Agora, essas decisões deverão passar pela Casa Civil.

 

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.