Quarta, 06 de Julho de 2022
27°

Poucas nuvens

Plácido de Castro - AC

Política Lei das Estatais

Temer diz que mudança na Lei das Estatais 'não deveria sequer ser cogitada'

Ex-presidente divulgou, nesta quarta-feira (22), nota em que critica ideia analisada pelo Palácio do Planalto de alterar a medida

23/06/2022 às 14h38
Por: Agência Plácido Fonte: R7
Compartilhe:
O ex-presidente Michel Temer (MDB) / EDU GARCIA/R7 - 29.04.2022
O ex-presidente Michel Temer (MDB) / EDU GARCIA/R7 - 29.04.2022

Em nota divulgada nesta quarta-feira (22), o ex-presidente Michel Temer (MDB) criticou a ideia discutida pelo Palácio do Planalto de alterar a Lei de Responsabilidade das Estatais. Ele afirmou que a notícia lhe causou "tristeza cívica" e que a "iniciativa não deveria sequer ser cogitada".

"O que se espera do mundo político é que aperfeiçoe continuamente a legislação e as instituições brasileiras, não que promova retrocessos", disse Temer.

De acordo com o ex-presidente, a Lei das Estatais significou a moralização das atividades públicas empreendidas pelas empresas estatais e grande avanço nos costumes políticos do país. "Teve o mérito de profissionalizar a gestão dessas empresas e, com seu novo regramento, permitiu a recuperação da Petrobras da crise pré-falimentar em menos de ano e meio", defendeu.

Temer pediu responsabilidade, serenidade e equilíbrio ao governo. "Mas estejam certos, se houver retrocesso, a cobrança virá", acrescentou.

Lei das Estatais

A lei foi assinada em 2016 por Temer e estabelece estatuto jurídico para empresas públicas e sociedades de economia mista que explorem atividade econômica da União, estados, Distrito Federal e municípios.

Em meio à pressão feita pelo Executivo, e na esteira da coleta de assinaturas para a criação de uma CPI (comissão parlamentar de inquérito) da Petrobras, o governo do presidente Jair Bolsonaro estuda alterar a lei por meio de uma medida provisória.

De acordo com o líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), a mudança é defendida por líderes partidários e deve ter como alvo a política de preços adotada pela Petrobras.

A forma usada pela Petrobras é a PPI (política de paridade internacional). A medida faz com que os preços da gasolina, do etanol e do óleo diesel acompanhem a variação do valor do barril de petróleo no mercado internacional, bem como a do dólar.

Bolsonaro é crítico da PPI e recentemente fez pressão para que o comandante da estatal, José Mauro Ferreira Coelho, pedisse demissão do cargo, o que se confirmou na segunda-feira (20).

A mudança na Lei das Estatais é defendida também pelo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). Em coletiva de imprensa na segunda-feira, o parlamentar cobrou mais participação do governo na tomada de decisões contra a Petrobras.

Na avaliação de Lira, diversos assuntos poderão ser resolvidos de forma mais rápida caso o Executivo apresente medidas provisórias, que são editadas pelo presidente da República em situações de relevância e urgência.

"Medidas que possam alterar alguns aspectos da Lei das Estatais, que permitam uma maior sinergia entre as estatais e o governo do momento. O que se aprovou lá atrás, muito ainda no rebote das operações, das situações que o Brasil passou, transformaram as estatais em seres autônomos e com vida própria, muitas vezes dissociados do governo do momento", afirmou Lira.

 

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.